top of page
  • Editor

Reconhecendo e Rompendo as Correntes do Abuso

Hoje, quero falar com você sobre um silêncio que ecoa em muitos corações, um silêncio que se esconde atrás de sorrisos forçados e palavras não ditas: a violência doméstica. Esta realidade, que recentemente veio à tona em casos como o de Ana Hickmann, é uma sombra dolorosa na vida de tantas de nós. É um grito abafado que uma em cada três mulheres carrega consigo.


O amor, aquele sentimento que deveria ser a nossa maior fonte de força e conforto, às vezes se transforma em uma armadilha de medo e lágrimas. É uma dor que dilacera a alma quando o lar, nosso refúgio sagrado, se torna um campo de batalha silencioso. O medo de um olhar, a tensão de uma palavra, o susto de um gesto – cada momento sob o mesmo teto que o agressor é um lembrete cruel de que o amor foi traído.


Este é um chamado direto ao seu coração, uma mensagem de força e esperança. Quero falar com você sobre uma realidade que muitas vezes começa sutilmente, mas gradativamente consome a luz de nossas vidas. Esta não é apenas uma questão de agressão física; é uma construção lenta e dolorosa de desrespeito, desamor e humilhação.


Talvez tudo comece com palavras ásperas, xingamentos disfarçados de "brincadeiras", pequenos atos de controle que vão minando sua autoestima. Esses são os primeiros sinais de um relacionamento abusivo. O amor verdadeiro deve elevar, respeitar e celebrar quem você é, e não te diminuir ou aprisionar.


Se você se encontra nesse ciclo, onde cada dia traz mais dúvidas sobre seu valor e seu direito à felicidade, quero que saiba que não está sozinha. A violência doméstica, seja ela emocional ou física, é uma realidade para muitas de nós, mas também é uma realidade da qual podemos nos libertar.


Encorajo você a olhar para dentro de si mesma e reconhecer a sua força. Acredite em sua capacidade de mudar a sua história. Não é fácil, eu sei. O medo, a insegurança, a dependência emocional e financeira podem parecer barreiras intransponíveis, mas há caminhos que levam à liberdade.

Existem pessoas e organizações que estão prontas para te apoiar, para te oferecer um abrigo seguro, para te ajudar a construir uma nova vida longe do abuso. O primeiro passo é o mais difícil, mas também é o mais corajoso: alcançar, falar, buscar ajuda. Romper o silêncio é romper as correntes que te prendem.


Quero que você saiba que merece ser amada, respeitada e valorizada. Merece um relacionamento que seja fonte de alegria e não de lágrimas. A violência, em qualquer forma, nunca é justificável. Você não é culpada. Você é digna de um amor que seja genuíno e edificante.


Juntas, somos uma força poderosa. Suas irmãs, suas amigas, suas companheiras de jornada estão aqui para te apoiar. Juntas, podemos transformar dor em poder, medo em coragem e escuridão em luz. Lembre-se: você tem o direito de viver uma vida livre de abuso. Uma vida onde você possa respirar, sonhar e ser verdadeiramente você.


Segue os canais de ajuda para a mulher:


1- Disque 180 - Central de Atendimento à Mulher: Disponível 24 horas, esse serviço oferece apoio e orientações para mulheres em situação de violência. É um canal confidencial e gratuito.


2- Centros de Referência de Atendimento à Mulher (CRAM): Estes centros oferecem apoio psicológico, jurídico e social para mulheres vítimas de violência. Eles estão espalhados em várias cidades e podem ser localizados através de uma pesquisa online ou pelo Disque 180.


3- Delegacias Especializadas de Atendimento à Mulher (DEAMs): Em várias cidades brasileiras, existem delegacias especializadas no atendimento de mulheres vítimas de violência. Esses locais possuem profissionais treinados para lidar com essas situações.


4- Organizações Não Governamentais (ONGs): Existem diversas ONGs que oferecem apoio a mulheres em situação de violência, como:


i) ONG Tamo Juntas: Oferece orientação, acompanhamento e acolhimento de mulheres em situação de violência e vulnerabilidade social em todo o Brasil. Site: tamojuntas.org.br​​.


ii) Associação RECOMEÇAR: Localizada em Mogi das Cruzes (SP), fornece acolhimento institucional sigiloso para mulheres em situação de violência. Site: ongrecomecar.org.br​​.


iii) ONG Artemis: Combate a violência doméstica e promove a autonomia feminina. Oferece cursos, eventos e acervos para conscientização sobre a realidade feminina. Site: artemis.org.br​​.


iv) Associação Mulheres de Atitude e Compromisso Social (AMAC): Atua no Rio de Janeiro e através das redes sociais, focada na defesa e garantia de direitos de mulheres vítimas de violência doméstica. Site: atitudeamac.org.br​​.


v) Casa da Mulher do Nordeste: Contribui para a igualdade de gênero no Nordeste do Brasil. Fortalece a autonomia econômica e política das mulheres. Site: casadamulherdonordeste.org.br​​.


vi) Mete a Colher: Utiliza tecnologia para ajudar mulheres a saírem de relacionamentos abusivos. Site: meteacolher.org​​.


vii) Instituto Social Ágatha: Promove o empoderamento feminino e a transformação social em Sergipe. Site: ongagatha.org.br​​.


5- Serviços Online e Aplicativos: Alguns aplicativos e plataformas online oferecem informações, orientações e até mesmo ajuda para escapar de situações de violência, como:

i) a.bot: Um robô que oferece orientações gratuitas sobre violência doméstica ou online, acessível pelo Facebook ou assistente de voz do Google.​​


ii) Justiceiras: Reúne voluntárias nas áreas do direito, psicologia e assistência social para atendimento virtual e gratuito às vítimas de violência. Site: justiceiras.org.br​​.


iii) PenhaS: Aplicativo que facilita o enfrentamento à violência contra a mulher, com informações, mapa de delegacias e serviços de atendimento, e botão de pânico. Disponível no Google Play e App Store.​​


iv) Todas por Uma: Permite cadastrar uma pessoa de confiança para receber pedidos de socorro e mapeia lugares perigosos. Disponível na Play Store.​​


v) Mapa do Acolhimento: Conecta mulheres vítimas de violência a uma rede de psicólogas e advogadas que oferecem atendimento gratuito. Site: mapadoacolhimento.org.br​​.


6- Redes de Apoio Comunitário: Grupos comunitários locais, igrejas e outras organizações religiosas frequentemente oferecem apoio e recursos para mulheres em situações de violência doméstica.


7- Serviços de Saúde Mental: Psicólogos e terapeutas podem oferecer apoio emocional e ajudar a lidar com o trauma e as consequências da violência.


É importante lembrar que buscar ajuda é um ato de coragem e o primeiro passo para a recuperação e a construção de uma nova vida longe da violência. Estes canais estão disponíveis para oferecer suporte, orientação e proteção.

2 visualizações0 comentário

Commentaires


bottom of page